terça-feira, 20 de dezembro de 2011

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

domingo, 11 de dezembro de 2011

Vídeo-Batizado de capoeira, Mestre Café


video


Roberto C. G. Nascimento (Betão).
Jornalista Reg. Profissional
MTB 013756/MG
(031) 86090549
robnasjornalista@yahoo.com.br
redepaginas@gmail.com

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Vídeo, humor-A história do Mamute


video


Roberto C. G. Nascimento (Betão).
Jornalista Reg. Profissional
MTB 013756/MG
(031) 86090549
robnasjornalista@yahoo.com.br
redepaginas@gmail.com

Ensaio-O caso do Fiscal Federal

O caso do Fiscal Federal
Esse caso quem me contou foi um amigo meu, que é fazendeiro aqui em Rio Piracicaba. Uma tarde ele estava trabalhando em seu curral, humilde, de roupa rasgada, sujo de bosta de vaca, quando um Fiscal Federal chegou, parou o carro federal e desceu. Bem vestido, óculos escuros, cara fechada de Fiscal Federal, disse assim para meu amigo, sem nem ao menos falar um boa tarde:



- Preciso inspecionar sua fazenda para verificar se não tem nenhuma irregularidade ambiental ou sanitária na sua plantação e nos seus animais!



O meu amigo fazendeiro então respondeu:



-Irregularidade seu moço? Que absurdo seu moço! Somos todos gente honesta e trabalhadeira, e só andamos dentro da lei!


E o fiscal, com uma arrogância federal, falou:


-Mesmo assim vou averiguar, é minha obrigação e o senhor está sujeito às penas da lei se dificultar o meu trabalho!



O meu amigo fazendeiro fez uma cara preocupada e disse:


-Sim senhor, mas o senhor espera um pouquinho que eu vou acabar aqui e levo o senhor, só para eu não ter que parar a tirada do leite pela metade.



O fiscal, se sentindo ofendido em sua autoridade federal, e cheio de arrogância e indignação, disse:



-O senhor ainda não sabe com quem está falando? Não sabe que tenho o poder do governo federal comigo?



E, tirando do bolso uma carteira federal mostrou ao meu amigo fazendeiro dizendo:


-Esta carteira me dá autoridade de parar qualquer um, de carro na estrada a qualquer cidadão que eu considerar suspeito, o senhor me respeita ou pode ir até preso.



Meu amigo então humildemente achou prudente não argumentar mais nada e deixar o fiscal fiscalizar sozinho, mas antes fez uma recomendação, quase em tom de aconselhamento:



- Não vai naquele pasto cercado ali não, lá o senhor me chama que eu levo o senhor. E apontou para certa área.



O homem então com um tom ainda mais indignado e ameaçador respondeu assim ao conselho de meu amigo:



- Posso ir onde quero e entrar em qualquer propriedade... Não preciso responder a nenhuma pergunta nem pedir autorização. O senhor não reparou direito na minha carteira com o símbolo federal? Está claro? Fiz-me entender agora?



O meu amigo fazendeiro todo educado pediu desculpas e voltou para o que estava fazendo. Poucos minutos depois ele ouviu uma gritaria e viu o fiscal do governo federal correndo feito um doido para salvar sua própria vida, perseguido pelo boi “Preto Serapião”, o touro reprodutor da fazenda. A cada passo o touro ia chegando mais perto do fiscal, que parecia que seria chifrado antes de conseguir alcançar um lugar seguro. O fiscal corria apavorado, tropeçando todo desengonçado e gritando socorro. O meu amigo fazendeiro, muito mineiramente e muito educado e prestativo, largou suas ferramentas, correu para a cerca e então gritou com todas as forças de seus pulmões:



- A carteira... Mostra a carteira pra ele que ele para!






Roberto C. G. Nascimento (Betão).
Jornalista Reg. Profissional
MTB 013756/MG
(031) 86090549
robnasjornalista@yahoo.com.br
redepaginas@gmail.com

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Vídeo- turma 300


video


Roberto C. G. Nascimento (Betão).
Jornalista Reg. Profissional
MTB 013756/MG
(031) 86090549
robnasjornalista@yahoo.com.br
redepaginas@gmail.com

Ensaio- Fazer com fé

FAZER COM FÉ

A vida é um constante fazer algo, o ser humano tem a necessidade de estar sempre agindo, criando o novo ou modificando o que já está feito. Isso na busca de realização pessoal, de estar de bem consigo mesmo e com Deus, ou por motivações mesquinhas e egoístas, mas o fato é que a vida é um constante fazer algo.
Quando o individuo estagna, perde a vontade de agir e fazer, há aí um desvio de conduta, em geral causado por algum distúrbio que pode ter origem no próprio individuo, influencia de terceiros, do meio em que se vive ou outros fatores. Mas a baixa auto-estima certamente estará presente neste contexto.
Mas o que fazer para atender a esse apelo da alma por realizações? E a que apelos atender? Como diferenciar o que, do ponto de vista religioso, seria um chamado de “Deus” na vida das pessoas ou a própria voz interior gritando na mente, porque a vontade de ouvir a voz de Deus pode levar as pessoas a se enganarem ou serem enganadas, às vezes até por bondade do coração, por influencia do meio ou de outras pessoas.
E o que de fato dará a plena satisfação interior? Quando as pessoas estão plenamente satisfeitas e quando apenas não estão enxergando a situação como um todo?
Vivemos em um mundo perigoso, armadilhas, caminhos que parecem serem os mais corretos às vezes levam a decepções. Por nossa fraqueza humana cegamos nossos próprios olhos, fechamos nossos ouvidos, acreditamos no que queremos, fazemos escolhas, nem sempre corretas. Isso é parte do risco que corre todo ser racional que vive e respira sobre a terra e debaixo do sol.
Mas, e quando todos apontam um caminho e temos a certeza que a direção correta é outra? Quando nossa voz interior nos diz que estamos corretos mesmo que os outros nos chamem de loucos, sonhadores?
Como identificar em que condição estamos, cegos e surdos por nossas próprias deficiências ou corajosamente lutando o bom combate e fazendo o que é certo aos olhos de “Deus” mesmo que nos digam o contrario?
É próprio da natureza humana ter uma tendência maior a acreditar que quando os outros nos apontam um caminho devamos seguir por outro. Agir como adolescentes em muitas fases e etapas da vida é uma coisa muito comum e pouco perceptível na conduta das pessoas adultas. A quem perguntar então como agir para errarmos menos? Porque nossos erros podem trazer conseqüências terríveis tanto para nós quanto para quem amamos e para quem nos ama. Perguntaremos a Deus, e Ele nos responderá, mas o problema é que talvez escolhamos nossa própria resposta e acreditaremos que foi a Dele.
Quem sabe devêssemos então deixar de fazer perguntas e passar a pedir a Deus o dom da humildade, mas humildade verdadeira, aquela que nos faz vencer o combate mais difícil, que é a luta contra nós mesmos, e então não teríamos nenhum problema em reconhecer nossos erros e recomeçar, voltar atrás, ou continuar sem venda nos olhos, sem tapar os ouvidos.
Lutar o bom combate sem importar com a maledicência do mundo, esse é o grande desafio do ser humano em busca de DEUS, e fazer com muita fé todas as coisas, as grandes e principalmente as pequenas, porque onde há boa obra e não há o reconhecimento do homem Deus está totalmente presente.

Roberto C. G. Nascimento (Betão).
Jornalista Reg. Profissional
MTB 013756/MG
(031) 86090549
robnasjornalista@yahoo.com.br
redepaginas@gmail.com

Humor- Vídeo: A morte

video

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Vídeo-Capoeira, Mestre Café


video


Roberto C. G. Nascimento (Betão)


Jornalista Reg. Profissional
MTB 013756/MG
(031) 86090549
robnasjornalista@yahoo.com.br


redepaginas@gmail.com

sábado, 3 de dezembro de 2011

Charge de natal

Dezembro chegou, lembre-se de que a cada pedido seu voçê pode acrescentar uma ação ou atitude em favor de um irmão menos favorecido. Suas ações e atitudes serão levadas em consideração por "Papai Noel" quando "Ele" ler suas cartinhas...

Roberto C. G. Nascimento (Betão).
Jornalista Reg. Profissional
MTB 013756/MG

(031) 86090549
robnasjornalista@yahoo.com.br
redepaginas@gmail.com

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Ensaio-Dedicar a vida a servir a Deus,a resposta para como ser feliz.

Dedicar a vida a servir a Deus
A resposta para como ser feliz.

Uma vida inteiramente dedicada a Deus, este é o único caminho para a verdadeira felicidade neste mundo onde sabemos estarmos todos por uma passagem tão curta. E dedicar a vida a Deus não é tão difícil quanto se possa pensar. Podemos viver Deus em nosso dia a dia, nas relações com as pessoas no nosso trabalho, na rua, em casa, no encontro casual com estranhos, enfim, levando uma vida inteiramente comum. Servimos inteiramente a Deus suportando nossas adversidades com fé e resignação, sendo humanos e sensíveis à dor e ao sofrimento dos outros, cuidando dos que são colocados em nosso caminho, sendo verdadeiramente sinceros, bons e honestos, enfim, podemos dedicar inteiramente a vida a Deus sendo nós ricos ou pobres, cultos e letrados ou analfabetos, trabalhadores de calos nas mãos ou doutores, balconistas de lojas ou empresários, pais ou filhos. Podemos dedicar nossa vida a Deus e sermos verdadeiramente felizes e para isso só precisamos compreender a vontade divina e buscarmos a sabedoria de Deus, e ambas estão no coração de quem realmente se entrega a Deus.
Disse Santo Agostinho, filosofo do séc. 03: “A compreensão é a recompensa da fé” e “Não há lugar para a sabedoria onde não há paciência”. E lembremos ou procuremos conhecer a parábola do bom Samaritano e o Evangelho Mt 25,31-46 quando Cristo nos ensina a reparar à nossa volta as obras de nosso caminho. Muitas vezes saímos em busca de fazer “a vontade de Deus” e não reparamos que estamos deixando de lado as obras que “Ele” coloca em nosso caminho no dia a dia. È importante saber que, às vezes, precisamos reconhecer nossos desacertos e recomeçar, mudar de caminhos, de condutas, e só os verdadeiramente humildes conseguem ver os próprios erros e serem fortes mudando a si mesmos quantas vezes forem precisas.
Então, unindo fé, paciência, humildade verdadeira, oração e obras pequenas ou grandes podemos de fato encontrar o caminho para sermos verdadeiramente felizes.

Roberto C. G. Nascimento (Betão).
Jornalista Reg. Profissional
MTB 013756/MG
(031) 86090549
robnasjornalista@yahoo.com.br
redepaginas@gmail.com

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Vídeos- Interior e vista externa do Santuário de Bom Jesus

Sala dos Milagres





video
Vista externa e interna



video



Roberto C. G. Nascimento (Betão).
Jornalista Reg. Profissional
MTB 013756/MG
(031) 86090549
robnasjornalista@yahoo.com.br
redepaginas@gmail.com

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

domingo, 27 de novembro de 2011

Ensaios-Dias de chuva- Sol nos abismos da alma

Dias de chuva
O tempo passa lentamente...
A chuva cai, hora devagar, hora furiosamente... O homem, aprisionado dentro de si mesmo, confinado em um abrigo que o protege das intempéries, mas exposto ao lento passar do tempo.
Quando não se pode fugir só há um caminho, a luta aberta. O tigre acuado lança-se para morrer sobre as armas dos caçadores, a fera, por mais mansa que seja ruge em desafio quando não pode escapar, investindo contra seu oponente, instintivamente. E a chuva cai aprisionando o homem dentro de si mesmo. Contra quem lutar?
E o tempo passa lentamente...
A chuva cai, hora devagar, hora furiosamente... O homem, olhando para dentro de si mesmo, livre em um abrigo que o protege das intempéries e saboreando o lento passar do tempo.
Reflete sobre a vida, percebe que não há fuga, só o caminho da luta aberta. O tigre prevenido lança-se sobre os caçadores antes que lhe apontem suas armas, a fera, por mais que seja mansa ruge em desafio quando instintivamente percebe perigos a lhe rondar, e ataca, e escapa antes de ser domada. E a chuva cai ensinando lições ao homem...
Ter a força da fera, a coragem do tigre, perguntar a Deus, ouvir a resposta e agir conforme a vontade do Criador, a chuva contou ao homem, mas nem todos souberam ouvi-lá.
O tempo passa lentamente e o homem faz escolhas no correr das horas, no avançar do tempo, na vida que se tem para viver.




Sol nos abismos da alma

Um Sol brilha na escuridão da noite, sua luz cega criaturas aladas, malfazejas, demônios das sombras. Entre pragas, urros horríveis e maldições, o Sol intensifica seu brilho e seu calor se expande até as fendas mais profundas, invadindo cavernas tenebrosas indiferente às maldições lançadas por mil bocas malditas, mil criaturas malditas.
A luz me alcança no fundo de um abismo, mas eu não sou um demônio a me esconder nas trevas, sou apenas um homem aprisionado na escuridão, escravo de meus medos, meus pecados, escravizado e acorrentado por mil demônios, mas o Sol da noite... Finalmente a luz onde só havia dor, lágrima e solidão, a luz para os esquecidos, para homens caídos como eu.
Que luz é essa, de onde vem esse Sol?
Ele vem do coração dos fortes e dos fracos, o Sol da noite, aquele a quem os sábios chamam de Esperança, um sentimento adormecido no fundo do peito de todos os homens. Nos abismos mais profundos, clame por Ele, no negrume da alma, deseje-o. Ante o intransponível, rogue a Ele. Quando a tempestade fizer o céu tremer no horizonte, abrigue-se Nele, e quando o vendaval te surpreender, quando estiver navegando e a calmaria tornar-se de repente em ondas monstruosas, se entregue a Ele. O Sol da noite, a quem os sábios chamam de Esperança, os homens de fé, os homens para quem o futuro reserva um reino de gloria e felicidade, estes o chamam de “Deus”.

Lutar e vencer-se
Lutava comigo mesmo, e estava perdendo. A quem venceria então? Se a vida é uma luta constante, quanto desespero ao ver-me derrotado por mim mesmo... No entanto, no auge da dor, do medo, caído em trevas, em pranto e ranger de dentes, meu amigo interior me disse: A consciência de saber que a primeira e maior luta é consigo mesmo já te tornas um vencedor, veja a ti mesmo como vitorioso e assim serás.
Roberto C. G. Nascimento (Betão).
Jornalista Reg. Profissional
MTB 013756/MG
(031) 86090549
robnasjornalista@yahoo.com.br
redepaginas@gmail.com

Fotos e textos-Festival de xadrez de Rio Piracicaba


O I Festival de Xadrez de Rio Piracicaba é resultado de um projeto de parceria entre a Prefeitura Municipal e a Fundação Brasileira de Xadrez. Dentro dessa parceria em julho deste ano houve capacitação de professores da rede municipal pela Fundação Brasileira de Xadrez para trabalhar nas escolas o desenvolvimento desse esporte. O evento foi realizado no dia 26 de novembro (sábado), no espaço Codorna.
Participaram alunos de escolas de toda a rede do município, incluindo escolas da zona rural.














Mitos da criação do xadrez





Existem diversas mitologias associadas à criação do jogo de xadrez, sendo uma das mais famosas aquela que a atribui a um jovem brâmane indiano chamado Lahur Sessa. Segundo a lenda do xadrez, contada em O Homem que Calculava, do escritor e matemático Malba Tahan, numa província indiana chamada Taligana havia um poderoso rajá que havia perdido o filho em batalha. O rajá estava em constante depressão e passou a descuidar-se de si e do reino.
Certo dia o rajá foi visitado por Sessa, que apresentou ao rajá um tabuleiro com 64 casas brancas e negras com diversas peças que representava a infantaria, a cavalaria, os carros de combate, os condutores de elefantes, o principal vizir e o próprio rajá. Sessa explicou que a prática do jogo daria conforto espiritual ao rajá, que finalmente encontraria a cura para a sua depressão, o que realmente ocorreu. Impressionado com a inteligência do brâmane, o rajá o convidou para ser o principal vizir do reino.

Origens históricas
Muito embora diversas civilizações antigas tenham sido apontadas como o berço do xadrez, tais como o Antigo Egito e a China dinástica, na atualidade a maioria dos pesquisadores concorda que o jogo tenha se originado na Índia por volta do Século VI d.C., na forma de uma antiga modalidade de xadrez com regras diferentes das atuais e denominado Chaturanga em sânscrito.
Posteriormente o Chaturanga difundiu-se na Pérsia durante o Século VII, recebendo o nome persa Shatranj, provavelmente com regras diferenciadas em relação ao jogo indiano. O Shatranj, por sua vez, foi assimilado pelo Mundo Islâmico após a conquista da Pérsia pelos muçulmanos, porém as peças se mantiveram durante muito tempo com os seus nomes persas originais. Dentre os praticantes de Shatranj à época, aqueles que mais se notabilizaram foram al-Razi, al-Adli e o historiador al-Suli e seu discípulo e sucessor al-Lajlaj. Diversos estudos foram feitos por al-Suli com o objetivo de compreender os princípios das aberturas os finais de partida, além de classificar os praticantes de Shatranj em cinco categorias em razão de sua força de jogo.
Na passagem do primeiro milênio da nossa era, o jogo já tinha se difundido por toda a Europa e atingido a Península Ibérica no Século X, sendo citado no manuscrito do Século XIII, o Libro de los juegos, que discorria sobre o Shatranj, dentre outros jogos.

Origens do xadrez moderno (1450-1850)

As peças no jogo antecessor ao xadrez eram muito limitadas em seus movimentos: o elefante (o antecessor do moderno bispo) somente podia mover-se em saltos por duas casas nas diagonais, o vizir (o antecessor da dama) somente uma casa nas diagonais, os peões não podiam andar duas casas em seu primeiro movimento e não existia ainda o roque. Os peões somente podiam ser promovidos a vizir que era a peça mais fraca, depois do peão, em razão da sua limitada mobilidade.
Por volta do ano de 1200, as regras do xadrez começaram a sofrer modificações na Europa e aproximadamente em 1475, deram origem ao jogo assim como o conhecemos nos dias de hoje. As regras modernas foram adotadas primeiramente na Itália (ou, segundo outras fontes, na Espanha): os peões adquiriram a capacidade de mover-se por duas casas no seu primeiro movimento e de tomar outros peões en passant, enquanto bispos e damas obtiveram sua mobilidade atual. A dama tornou-se a peça mais poderosa do jogo. Estas mudanças rapidamente se difundiram por toda a Europa Ocidental, com exceção das regras sobre o empate, cuja diversidade de local para local somente se consolidou em regras únicas no início do Século XIX.
Fonte: wikipedia.org

Roberto C. G. Nascimento (Betão).
Jornalista Reg. Profissional
MTB 013756/MG
(031) 86090549
robnasjornalista@yahoo.com.br
redepaginas@gmail.com

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Ensaio-Lamento de um velho

Já fui jovem, já fui chamado de “garoto”. Eu jogava bola, andava de bicicleta e até sabia capoeira. Minhas pernas eram ligeiras, fui até valente e brigador. Tive muitas namoradas, eu era um rapaz boa pinta, bom partido.
Meu tempo hoje é um passado de lembranças, algumas boas, outras nem tanto. Aprendi muito com a vida, mas esqueci a maior parte. E algo interessante eu notei, o aprendizado só chega depois do erro. Ah, quem dera pudesse um homem saber de antemão as conseqüências de seus atos, ou de sua omissão ante as situações que a vida lhe propõe. Carregamos culpas, pesos na consciência pelo que fazemos, mas principalmente pelo que não fazemos, às vezes até mesmo por não prestarmos atenção à nossa volta.
Lembro-me de um mendigo, não, era uma família, mulher, marido e filhos, dois ou três, não recordo ao certo, eu era jovem, cheguei num bar e eles estavam deitados na sarjeta, era noite de muita chuva e frio. Passei por eles sem nem olhar direito. Naquela noite me diverti e bebi até de madrugada. Quando saí eles permaneceram lá. Colchão de papelão, cobertor de jornal, e provavelmente fome. Fui embora feliz e bêbado, embriagado de mim mesmo, meu egoísmo, minha vaidade, meu orgulho, meu eu. Eu e meu. Pronome e verbo que hoje me atormentam por terem norteado tanto a minha vida. Agora não posso mais voltar naquela sarjeta e ajuda-los, ao menos reparar neles e senti-los como seres humanos iguais a mim. Talvez um boa noite, um deixar transparecer compaixão tivesse feito bem a eles, lhes mostrado esperança. Mas não, eu ia à missa aos domingos e dava esmola, pagava meu dizimo, eu não precisa notar a existência de mendigos porque me sentia em paz com Deus. Só hoje vejo que era um deus de religiões, de homens, um deus de carne e ossos transformado em manipulador de mentes e dominador de vontades, um deus instrumento de homens. Hoje penso que o Deus verdadeiro, aquele que procuro a vida inteira, estava naquela família deitada na sarjeta e eu não reparei porque estava tranqüilo rezando todo domingo.
Agora estou velho, sinto que tenho pouco ou quase nenhum tempo aqui nessa terra de enganos e mentiras. Eu rezo muito, levanto minhas vistas cansadas para o céu, mas não vejo Deus. Ah, e como pesam minhas riquezas acumuladas, que não me servem para nada, só me dão desgosto. Quem me dera ao menos a lembrança de um ato de bondade, de desprendimento verdadeiro por um irmão necessitado, mesmo que tivesse sido um sorriso, um ouvir e um conselho. Mas não, eu estava ocupado demais sendo astuto, e me sentia imortal, quanto engano meu Deus.
Só me resta esperança da benevolência do nosso criador, e do fundo de meu peito uma triste resignação, porque eu sinto que não mereço perdão.
Que a terra me seja leve...

Roberto C. G. Nascimento (Betão).
Jornalista Reg. Profissional
MTB 013756/MG
(031) 86090549

robnasjornalista@yahoo.com.br
redepaginas@gmail.com

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Fotos-Santuário Bom Jesus







Uma tradição de 200 anos de grandeza impar, assim é a história do culto de Bom Jesus de Rio Piracicaba. Toda essa riqueza dificilmente pode ser transfigurada em palavras. .
Rio Piracicaba é uma cidade agraciada pela religiosidade de seu povo e pela convivência harmoniosa entre as religiões. Hospitaleira e pacata, a cidade tem no Jubileu de Bom Jesus sua maior festa anual, uma verdadeira e autentica marca cultural do município.
Muita história, casos, relatos de milagres, namoros começados e culminados em casamentos, reencontros de amigos ausentes, parentes distantes, fé genuína e pura. A história do Santuário de Bom Jesus traz o passado ao presente e renova as esperanças no futuro. A atitude de um escravo, um historia de luta por liberdade, arrependimento e medo, fé e perdão, e a vitória da liberdade. Há duzentos anos atrás, a contar de 2011, um escravo deixou gravado na história a certeza de que a fé deve ser maior que qualquer medo, e ensinou, e continua ensinando que confiando em Deus tudo pode ser alcançado, que toda esperança torna-se realização.








Roberto C. G. Nascimento (Betão).
Jornalista Reg. Profissional
MTB 013756/MG
(031) 86090549
robnasjornalista@yahoo.com.br
redepaginas@gmail.com

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Ensaio-Assombração

Pedra do Coito não é nome de povoado não, é nome de um lugar. Na verdade é um ponto de encontro de duas estradas que levam a vários povoados. Todos pequenos, de poucas casas, mas que juntos somam a maior área rural do município. Desse encontro de estradas surgiram historias e lendas. Talvez porque no ponto em que duas estradas formam uma encruzilhada o viajante diminui o passo e, ainda que inconscientemente, sabe que aí tem a possibilidade de escolher mudar seu rumo ou seguir firme na escolha já feita, e isso por si só é motivo para historias e lendas. Ou porque em encruzilhadas passam e se cruzam vidas com historias próprias, por vezes não notadas, mas embora anônimas ricas em significado, e vidas quando se cruzam ás vezes viram até lendas. O fato é que o lugar gerou lendas, lendas de arrepiar.
A encruzilhada da Pedra do Coito era mal assombrada. Diziam que lá antigamente tinha um pé de gameleira, e, como todo mundo sabe, debaixo de pé de gameleira em encruzilhada o capeta aparece. A árvore secou e morreu, mas a fama do lugar continuou, e ninguém, ninguém mesmo, se atrevia a passar sozinho lá à noite.
Corriam muitas historias da assombração da Pedra do Coito, e eram contadas em rodas de família a beira de fogões de lenha, com avós, pais, filhos, netos, noras, genros e vizinhos reunidos. Eram contadas também em rodas de cachaça, com homens de calos nas mãos e pele tostada pelo sol bebendo para esquecer ou comemorar o suor da semana. Eram contadas em todos os lugares, pelos meninos nas escolas, por rapazes e moças em alegres encontros de fins de tarde na ainda manha de suas vidas, e até por casais de namorados, quando o namorado queria impressionar: “... ontem passei no Coito era quase meia noite, o cavalo refugou, mas eu fustiguei a espora. Não vi nada não, mas meu cabelo arrepiou e senti um frio na espinha, gritei por Nossa Senhora, pus a mão na garrucha e passei...” E a moça extasiada ficava com olhar apaixonado, admirando a valentia de seu amado.
Das historias contadas havia também as dos que viram o capeta na encruzilhada da Pedra do Coito: “Compadre, eu fiquei até tarde na venda, era lua cheia e a noite estava muito clara, quando fui passando escutei um roncado no mato, pensei que era onça e peguei a garrucha. O roncado ficou mais alto, meu corpo arrepiou todo, olhei para o mato e vi uma porca preta com sete porquinhos pretos saindo na estrada no lugar onde eu tinha acabado de passar. Sarei a cachaça na hora e atirei, mas não é que deu foi um estouro? A garrucha sumiu na minha mão Compadre. E subiu uma fumaça com catinga de enxofre no lugar onde estava a porca com os porquinhos? Pois é, aí eu desmaiei e só acordei no outro dia, dormi ali mesmo, só lembro dos homens me chamando quando já era de manhazinha e eles estavam indo para os pastos juntar as vacas. Foi o capeta que apareceu para mim, não foi cachaça não, se fosse em outro lugar até podia falar que eu desmaiei por causa da pinga, mas na Pedra do Coito e eu nem bebi tanto assim...”
E o capeta da Pedra do Coito também era, de vez em quando, um cabrito preto de três pernas, esse até meu pai, que era um homem que não mentia, me contou que viu. Quando chovia à noite e ele ficava com saudades de seus tempos de mocidade, meu pai contava historias e casos de sua vida. Sentávamos espalhados pela cozinha de nossa casa, “esquentando” fogo no fogão de lenha, e meu pai falava calmamente, sua voz pausada e seu olhar distante, parecendo estar enxergando na fumaça da lenha mal queimada o seu passado distante. Da Pedra do Coito ele contava que uma noite foi pescar um pouco mais embaixo de lá, quando já estava se preparando para voltar, quase meia noite, ouviu um assobio fino e um vento gelado passou por ele. Olhou na direção da encruzilhada, onde havia antigamente a gameleira, e viu à luz da lua um cabrito preto de apenas três pés atravessando a estrada. Lembro-me que lhe perguntei o que fez, e com sua voz calma e pausada ele me respondeu que nada, simplesmente rezou o“credo”(pai-nosso, no linguajar antigo da roça) e foi embora. E arrematou dizendo que se ele não mexia com o capeta então o capeta também não podia mexer com ele. Hoje pensando nessa ultima explicação entendo que isso era uma lição de vida. Era assim, com poucas palavras e exemplos de sua vida, que meu pai me preparava para ser um homem.
Meu pai morreu há muitos anos, os moradores antigos dos povoados também. Muitas das historias morreram juntas com eles, mas a Pedra do Coito continua lá. E eu penso que as assombrações também. Talvez o que tenha acontecido e que faz com que ninguém as veja mais, o que faz com que elas não assustem mais, é que o mundo mudou e as pessoas hoje são diferentes. Não se tem mais tempo para ser gente de fato, o ser humano está se tornando coisa, objeto. Uma pessoa é o que tem em bens materiais, em diplomas, e é o que projeta ser, como um ator em um filme. A vida anda tão corrida que ninguém repara nem em si mesmo nem no outro a seu lado. Ninguém hoje olha para dentro de si mesmo e se percebe como um ser humano. E talvez, apenas talvez, as assombrações como as da Pedra do Coito só se interessem por gente e só aparecem para pessoas de verdade.
Eu acredito que elas estão lá, se você duvida vai à Pedra do Coito, sozinho, a meia noite, se tiver coragem, porque eu não tenho.


Roberto C. G. Nascimento (Betão).
Jornalista Reg. Profissional
MTB 013756/MG
(031) 86090549
robnasjornalista@yahoo.com.br
redepaginas@gmail.com

Vídeo-O Rio de Piracicaba, a música.




video




Roberto C. G. Nascimento (Betão).
Jornalista Reg. Profissional
MTB 013756/MG
(031) 86090549
robnasjornalista@yahoo.com.br
redepaginas@gmail.com

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Ensaio-Os desertos de cada um e o encontro com Deus

Todos nós estamos em busca de um encontro verdadeiro com nosso eu interior. Porque quando acreditamos que Deus habita em nosso intimo, temos a certeza de um encontro com Ele se nos encontrarmos, nos conhecermos e nos entendermos verdadeiramente como seres humanos que somos. Nossa busca pode ser consciente ou inconsciente, mas de um jeito ou outro é comum a todo ser humano, buscamos Deus em nós. Mesmo quem se considera ateu busca algo que não sabe o que, esse algo é o entendimento de si mesmo, e é a mesma busca dos que crêem.
Em determinadas fases da vida, ou em várias fases por períodos curtos ou longos, somos levados a desertos de nós mesmos. Isso acontece quando a busca interior nos leva a querermos um total isolamento do mundo que nos rodeia. Assim como Cristo, que por quarenta dias e quarenta noites meditou no isolamento do mundo material, nós também, por sermos filhos de Deus, precisamos e fazemos o mesmo, percebendo nós ou não, mas o fato é que fugimos ou nos retiramos para meditar em desertos de nós mesmos.
Essas são fases muito delicadas de nossas vidas, porque em busca de força ficamos fragilizados e propensos a influencias nem sempre positivas em nossa caminhada para Deus. E Ele permite que façamos escolhas, porque temos um livre arbítrio, mas temos que estar atentos porque podem nos ser oferecidos atalhos, e então podemos ser enganados, cabe a nós aceita-los ou não. Nossa fé e nossa humildade são testadas, nossa verdadeira vocação para Deus é posta à prova. Se praticamos boas obras, ações cristãs de solidariedade, e alguém nos oferece uma grande obra para deixarmos nosso nome em uma placa, e nos pede sacrifícios em troca do reino de Deus, e abandonamos nosso anonimato pela grandeza de uma ação humana em nome da vontade de Deus, isso pode ser um atalho. Se nos oferecem milagres em troca de sacrifícios e mil orações, e nos isolam do mundo em ilhas de fé e salvação, isso pode ser um atalho. Se nossa paz interior nos é oferecida pelo esquecimento e abandono daqueles que são colocados em nosso caminho como nossa missão, sejam filhos, pais, doentes a quem visitar, mendigos a quem oferecer um alento de esperança, pessoas a quem levar uma palavra no dia a dia comum de nossas vidas, isso pode ser também um atalho.
Um dia eu caminhava pelo deserto de minha vida e me senti igual a todos os outros homens, com as mesmas necessidades e fraquezas, nesse dia encontrei Deus dentro de mim, e parei de seguir orientadores, guias espirituais, salvadores de almas. Nesse dia entendi que Cristo nos entende humanos, e humanos devemos nos entender também. E o reino dos céus será nosso por esforço e trabalho, mas a escolha e decisão são de Deus, não nossa. Aprendi que todo orientador é antes de tudo um manipulador, decidi então não cair na tentação de orientar nem na fraqueza de ser orientado. E eu vi então um mendigo caído na sarjeta e me vi naquele homem, e eu vi um rico e me vi naquele homem. Eu vi uma criança e vi um ancião, e em ambos eu me vi. E me vi em um homem sadio e em um moribundo. Eu vi um ateu, vi um homem de fé e vi um fanático, e me reconheci em todos e neles todos eu vi Deus.
Hoje me entendo fraco e às vezes forte, um homem de muita fé e outras vezes vacilante, bom e mal, certo e errado, pecador e arrependido. Sou hoje uma luta diária, porém calma e serena, o humano e o divino convivendo dentro de mim, sendo o que sou, me entendendo, curado por Deus, crendo em seu perdão e trocando o temor pelo amor Dele. Não posso mais renunciar a este mundo porque aprendi que Deus habita nele, pois habita em cada pessoa, em todas as formas de vida, e renunciar a esta vida, a este mundo, é na verdade renunciar a Deus.


Roberto C. G. Nascimento (Betão).
Jornalista Reg. Profissional
MTB 013756/MG
(031) 86090549
robnasjornalista@yahoo.com.br
redepaginas@gmail.com

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Poesia-Mesmo assim

"As pessoas são irracionais, ilógicas e egocêntricas.
Ame-as MESMO ASSIM.

Se você tem sucesso em suas realizações,
ganhará falsos amigos e verdadeiros inimigos.
Tenha sucesso MESMO ASSIM.

O bem que você faz será esquecido amanhã.
Faça o bem MESMO ASSIM.

A honestidade e a franqueza o tornam vulnerável.
Seja honesto MESMO ASSIM.

Aquilo que você levou anos para construir,
pode ser destruído de um dia para o outro.
Construa MESMO ASSIM.

Os pobres têm verdadeiramente necessidade de ajuda,
mas alguns deles podem atacá-lo se você os ajudar.
Ajude-os MESMO ASSIM.

Se você der ao mundo e aos outros o melhor de si mesmo,
você corre o risco de se machucar.
Dê o que você tem de melhor MESMO ASSIM."

Madre Tereza de Calcutá

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Vídeo-Vista Panorâmica do alto da Estiva



video



Roberto C. G. Nascimento (Betão).
Jornalista Reg. Profissional
MTB 013756/MG
(031) 86090549
robnasjornalista@yahoo.com.br
redepaginas@gmail.com

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Águas e homens, caminhos.

O caminho das águas não é igual ao dos homens. Porque as águas não evitam nenhum por causa de obstáculos e os homens, quando prudentes, escolhem aqueles onde haja menos. No entanto homens fortes e sábios aprendem com as águas a enfrenta-los e supera-los quando isso se faz necessário.

Roberto C. G. Nascimento (Betão).
Jornalista Reg. Profissional
MTB 013756/MG
(031) 86090549
robnasjornalista@yahoo.com.br
redepaginas@gmail.com

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Vídeos-Inauguração de academia ao ar livre na volta do rio


video


O prefeito, Dr. Gentil, inaugurou no sábado, dia 05, a primeira academia ao ar livre de Rio Piracicaba. O evento foi prestigiado pela presença de muitos cidadãos e da banda de música de Buré. Essa primeira academia faz parte de um projeto maior, que deverá contemplar diversas praças da cidade. A população recebeu com muito entusiasmo a idéia e a implantação do projeto.

Vídeo-Banda de Buré



video



Roberto C. G. Nascimento (Betão).
Jornalista Reg. Profissional
MTB 013756/MG
(031) 86090549
robnasjornalista@yahoo.com.br
redepaginas@gmail.com

Vídeo-Banda de Buré 2

video

Ensaio-O estranho caso de Zé Curuja

Zé Curuja morreu. Faleceu como viveu, de forma anônima, quase sem ser notado.
Meu pai foi ao enterro e me contou que havia apenas quatro pessoas no velório, e ainda brincou que foi a conta exata, uma pessoa para cada alça do caixão. Ainda disse que se fosse um rico seria um enterro concorrido. Mas Zé Curuja era pobre, morreu de velhice no asilo onde foi aceito por caridade. No inicio de sua ida eu me lembro bem, era criança e encontrava sempre com ele na rua, vinha fazer pequenos serviços para as irmãs de caridade que administravam o asilo, pequenas compras, pagamentos, trazer ou buscar encomendas, e coisas assim. Vestia sempre roupa gasta e chinelo de dedo, aliás, estes eram seus únicos pertences nesta terra, mas estava então sempre limpo, bem asseado, e com uma expressão serena, em paz com sua alma e sem rancor com o mundo, sem maldizer a vida passada, presente ou futura.
Meu pai sempre foi amigo dele, me lembro disso desde que me lembro de ser gente. Zé era um homem bom, gostava de falar sobre futebol, noticias de jornal, e me tratava com um respeito e atenção que mesmo eu sendo criança tinha a impressão que era adulto e me sentia importante. Esse jeito dele era o de um homem nobre, gentil e sem nada de egoísmo na alma. Só muito mais tarde fui entender isso, vendo a falta de caráter e a velhacaria que o mundo tanto valoriza e que por vezes torna tantos homens miúdos homenageados e laureados pela sociedade. Fui entendendo ao longo da vida que um mundo tão torto como o nosso, em que o egoísmo é premiado, onde tanto se busca a grandeza humana distorcendo até a vontade de Deus, nomeando a vaidade de deixar marcas na historia como sendo obra de Deus, fui compreendendo que Zé Curuja era de fato um verdadeiro homem santo. Um santo que vi tantas vezes caído bêbado na calçada, de roupa suja e calça mijada.
Nunca conheci bem a historia de Zé, quando ele morreu eu tinha uns dezesseis ou dezessete anos, pensava então a vida como um grande buteco, noites com muitas madrugadas e vinhos baratos. Lia muitos livros de autores famosos, pensava em como me tornar um grande homem e melhorar o mundo, nessa época eu não tinha tempo para sequer notar a existência de Zé Curuja.
A amizade de meu pai com ele era antiga, bebiam juntos, conversavam muito, às vezes meu pai o convidava para almoçar em nossa casa, mas ele sempre recusava com uma desculpa qualquer, hoje sei que era na verdade humildade. Ocasiões havia também que meu pai o chamava para fazer limpeza em nosso quintal, então ele aceitava o almoço, mas não sentava a mesa, pedia para que seu prato fosse levado no quintal mesmo, era eu quem levava, e conversávamos durante sua refeição. Eu percebia que ele era um homem inteligente e para a época até culto, gostava de livros, lia jornais, e isso na década de 1970, em uma cidade do interior, era habito permitido apenas para o que se chamava elite social.
Passados muitos anos outra noite tive um estranho sonho com Zé Curuja. Ele olhava seu velório, e via meu pai carregando uma das alças do caixão, e meu pai estava triste, mas não chorava, porque meu pai nunca soube chorar, assim como eu, e agora sei como isso dói, como é triste não saber chorar. E Zé Curuja olhou seu próprio enterro e depois saiu andando de cabeça baixa, sem reclamar, sem esperar ir para o Céu, sem medo de ir para o inferno, seguiu resignado como viveu, apenas esperando a vontade de Deus, e caminhava triste pensando em como foi derrotado pela vida. Ele foi andando, e a estrada ia em direção ao nada, e sua vida foi passando pela sua cabeça, infância pobre, trabalhando a dia para ajudar a mãe viúva, os irmãos se perdendo no mundo, ele ficando sozinho ainda jovem, a bebida oferecida de graça, o vicio, noites dormidas em cantos de ruas e a vida no fundo de um copo de cachaça. Zé então sentou, se sentiu perdido, mas não teve medo nem chorou, apenas se resignou e ficou esperando tranqüilo que Deus o julgasse, entendendo que merecia o inferno e ele iria sem reclamar, era uma ovelha perdida. Zé ouviu passos e viu um velho vindo em sua direção, o velho parou e lhe disse muito obrigado: “Você não me conhecia e tantas vezes cuidou de minhas feridas no asilo, e teve paciência comigo, ouviu mil vezes as mesmas historias de um velho caduco e solitário, eu no abandono de minha velhice via em você um enviado de Deus, e por isso reforçava minha fé Nele, sua caridade salvou minha alma Zé. ”E seguiu caminhando. Novamente passos e Zé viu chegar um homem bem vestido, parecendo rico, e o homem disse: “Lembra-se de mim? Bebemos juntos, e você me dizia sempre que o bar não era meu lugar, me aconselhava a cuidar melhor de minha família, me dizia para usar meu dinheiro para ajudar os outros, me dizia para pensar em Deus. E eu ria de você, te pagava mais bebida, e nunca te perguntava porque você me aconselhava e continuava bebendo, eu te respeitava muito Zé, e se tivesse te ouvido hoje não estaria onde estou, só vim porque me permitiram vir te agradecer pelo bem que você me quis.” E durante um tempo que os sonhos não nos fazem quantificar Zé recebeu muitas pessoas que tinham motivos para lhe agradecer por pequenas coisas, mas que tiveram um significado grande para elas, mendigos com quem dividiu um pedaço de pão seco, homens e mulheres que foram crianças de rua a quem aconselhou e as vezes ate corrigiu como se um pai ele fosse, pobres como ele a quem visitou em momentos de doenças, e muitas pessoas pararam para agradecer-lhe por coisas que ele nem ao menos se lembrava de ter feito. E Zé chorou, deveria dizer pela primeira vez em sua vida, mas ele estava morto. Quando suas lagrimas caíram no chão um anjo apareceu, pegou sua mão e disse que Deus tinha um lugar especial para ele, e Zé disse ao anjo: “Eu não mereço, não sou digno, nem ao menos eu sei rezar direito”. O anjo sorriu, e carregou Zé para o Céu, e eu acordei chorando.











Roberto C. G. Nascimento (Betão).
Jornalista Reg. Profissional
MTB 013756/MG
(031) 86090549
robnasjornalista@yahoo.com.br
redepaginas@gmail.com

domingo, 6 de novembro de 2011

Foto-Centro de Rio Piracicaba

Reflexão sobre o olhar alheio


Há pessoas que gostam de nós, e há pessoas que não gostam de nós. A pergunta é: Quem gosta tem razões justas para gostar e quem não gosta tem razões justas para não gostar?
Nossa consciência deve ter a resposta, e essa resposta há de nos dar a paz ou não. Então o que importa não é o sentimento dos outros, mas sim as respostas de nossa própria consciência.

Roberto C. G. Nascimento (Betão).
Jornalista Reg. Profissional
MTB 013756/MG
(031) 86090549
robnasjornalista@yahoo.com.br
redepaginas@gmail.com

Ensaio- A busca e o encontro da felicidade-Palavras para reflexão

A busca e o encontro da felicidade-Palavras para reflexão

Buscamos e nascemos para a felicidade, embora às vezes nem saibamos o que é isso. Estar de bem conosco, em paz interior, sem medo ou ansiedade com relação ao futuro, é talvez o que devamos considerar felicidade. Refletindo que o ser humano, desde o inicio das eras, traz em si a idéia de algo maior, de Deus, entenderemos que precisamos estar em harmonia com esse algo para estarmos bem conosco, felizes, fortes e seguros com relação ao futuro, o que às vezes nosso orgulho, vaidade ou cegueira não nos deixa perceber. Deus é incompreensível para a inteligência humana, daí a necessidade da fé para amenizar a angustia de aceitar o que não compreendemos. Porque temos consciência da morte e do inevitável encontro para um ajuste de contas. E talvez o verdadeiro objetivo da nossa vida terrena seja a preparação para esse ajuste, assim como o medo de não estar preparado seja o motivo inconsciente da falta de felicidade.
O que então precisamos é buscar compreender, aceitar e ter coragem de fazer a vontade de Deus em nossas vidas, entrando assim em harmonia com “Ele”. Para isso precisamos ter sabedoria porque podemos nos enganar fazendo nossa própria vontade, podemos ser conduzidos ao engano ou acreditar em pessoas que estão também enganadas.
Disse Santo Agostinho, filosofo do séc. 03: “A compreensão é a recompensa da fé” e “Não há lugar para a sabedoria onde não há paciência”. E lembremos ou procuremos conhecer a parábola do bom Samaritano e o Evangelho Mt 25,31-46 quando Cristo nos ensina a reparar à nossa volta as obras de nosso caminho. Muitas vezes saímos em busca de fazer “a vontade de Deus” e não reparamos que estamos deixando de lado as obras que “Ele” coloca em nosso caminho no dia a dia. È importante saber que, às vezes, precisamos reconhecer nossos desacertos e recomeçar, mudar de caminhos, de condutas, e só os verdadeiramente humildes conseguem ver os próprios erros e serem fortes mudando a si mesmos quantas vezes forem precisas.
Assim, a união da fé, paciência, humildade verdadeira, oração e obras pequenas ou grandes talvez seja um dos melhores caminhos para sermos verdadeiramente felizes.


Roberto C. G. Nascimento (Betão).
Jornalista Reg. Profissional
MTB 013756/MG
(031) 86090549
robnasjornalista@yahoo.com.br
redepaginas@gmail.com

Vídeo-Caminhada contra o cancer de mama

video

Ensaio-Caso verídico de cascável

Caso verídico de cascável

Numa segunda feira fui ao hospital, mais ou menos às nove da manhã, levar um aluno que passou mal, ou só queria matar aula, até hoje não sei. O fato é que quando parei o carro notei um homem, com trajes que faziam perceber tratar-se de um trabalhador rural, chegando com passos trôpegos à portaria do hospital. Descemos do carro e meu aluno teve um surto de melhora repentina, talvez movido pela sua boa índole de adolescente exemplar, e amparamos o cambaleante.
Perguntei ao tropeçante cidadão o que havia acontecido e ele me disse, com voz chorosa: “Uma cobra cascavé me ofendeu sinhô”. Perguntei onde e ele me apontou o pé, calçado de chinelos e com dois riscos pontilhados de sangue. Meu aluno arregalou os olhos e começou a sarar, eu gritei a atendente da portaria, ela veio correndo, e o “picado” quase desmaiou.
Entramos no hospital passando na portaria lotada de pacientes, aliás, todos muito pacientes, e todos com olhar solidário e comovido com a situação do “mordido”. Ele foi colocado na sala de emergência, o médico foi chamado às pressas, meu aluno disse que tinha acabado de sarar e eu fiquei imaginado, indignado, que o referido cidadão fosse um trabalhador que estava limpando um quintal para alguém, coisa comum em cidades do interior, e que o patrão do dia não estava prestando a devida assistência nesse momento difícil que a famigerada serpente havia colocado nosso já quase mártir da causa operaria agrícola.
Nisso um detalhe me deixou ainda mais apreensivo, o “ofendido” se recusou a deitar na maca e pedia água insistentemente. Deduzi, com toda minha filosofia, que ele estava com medo de morrer e associava a idéia de deitar com a de morte, o que filosoficamente era muito compreensível, e o pedido pela água era efeito natural, ou colateral, do veneno da cobra cascavel. Enquanto eu estava nessas divagações o médico chegou, olhou o já quase herói de uma tragédia rural e perguntou o que havia acontecido. O “pé picado” respondeu quase soluçando: “Cascavé mordeu meu pé, doutô”. O medico observou rapidamente os riscos no pé do choroso cidadão e perguntou se ele havia bebido alguma coisa. Ele respondeu, quase em lagrimas: “Bebi só uma porque tava doendo demais, doutô”. Então olhando no relógio, passava pouco das nove da manha, e era segunda feira, o doutor perguntou a que horas havia sido a dolorosa mordedura. Já chorando o “envenenado” respondeu: “Doutô, foi na sexta feira,sim sinhô”.Daí o doutor chamou a enfermeira e disse, quase xingando: “Quantas vezes eu já falei, caso de bebedeira na segunda feira não trata como emergência, tem gente precisando de atendimento rápido lá fora...aplica glicose e prestem mais atenção...”E eu, meio envergonhado, falei para o meu aluno: “Eta cascavel ruim de serviço.” E ele me respondeu: “Vai ver ela era banguela, e agora podemos voltar pro colégio porque a aula já vai acabar e eu quero é ir pra casa, segunda feira é difícil, não é Betão???



Roberto C. G. Nascimento (Betão).
Jornalista Reg. Profissional
MTB 013756/MG
(031) 86090549
robnasjornalista@yahoo.com.br
redepaginas@gmail.com

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Show com Biquini Cavadão no aniversário da cidade, aquardem e convidem os amigos...

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Rio Piracicaba, um convite a "Ser Mineiro"...

Ser Mineiro



Ser Mineiro é não dizer o que faz, nem o que vai fazer.
É fingir que não sabe aquilo que sabe, é falar pouco e escutar muito, é passar por bobo e ser inteligente, é vender queijos e possuir bancos.
Um bom Mineiro não laça boi com embira, não dá rasteira no vento, não pisa no escuro, não anda no molhado, não estica conversa com estranhos, só acredita na fumaça quando vê fogo, só arrisca quando tem certeza, não troca um pássaro na mão por dois voando.
Ser Mineiro é dizer UAI, é ser diferente e ter marca registrada, é ter história.
Ser Mineiro é ter simplicidade e pureza, humildade e modéstia, coragem e bravura, fidalguia e elegância.
Ser Mineiro é ver o nascer do sol e o brilhar da lua, é ouvir o cantar dos pássaros e o mugir do gado,
é sentir o despertar do tempo e o amanhecer da vida.
Ser Mineiro é ser religioso, conservador, é cultivar as letras e as artes, é ser poeta e literato,
é gostar de política e amar a liberdade, é viver nas montanhas, é ter vida interior.
É ser gente .
Guimarães Rosa

Vista Panorâmica




Foto-Panorâmicaparcial da cidade




Vista do centro da cidade, rua Duque de caxias




Saida para Alvinopolis



domingo, 14 de agosto de 2011

Grande sucesso na Cavalgada 2011 de Rio Piracicaba



Grande sucesso na Cavalgada 2011 de Rio Piracicaba

A cavalgada de 2011 pelas atrações, publico presente e organização está sendo considerada a melhor desde a fundação do Parque Municipal. Pela primeira a festa teve duas atrações de nome nacional, além de uma escolha muito bem feita para as atrações de nível regional, o resultado foi um grande sucesso.
A organização e segurança também foram muito bem trabalhadas, o esforço e dedicação dos funcionários da prefeitura, da comissão organizadora e da Policia Militar, garantiram o total bem estar de quem esteve presente na festa.
Pela primeira vez na historia da festa a abertura teve um publico expressivo, isso porque logo o primeiro show foi de uma atração de renome nacional. A dupla Marcelinho de Lima & Camargo, na sexta feira a dupla de sucesso regional Fabrício & Elcimar foi o destaque e no sábado a grande atração da festa, Gian & Geovani, que ficaram muito empolgados com o publico presente. O cantor rio-piracicabense Laércio Silvano teve uma participação especial no show de Gian & Geovani e também foi aplaudido pela platéia, tendo sido também muito elogiado pelos produtores dos artistas.
O rodeio de qualidade e o grande numero de cavaleiros também foram motivos de elogios por parte dos participantes da festa, e destaque para, também pela primeira vez, a participação de representantes da Cavalaria da Policia Militar, que desfilaram conduzindo as bandeiras da cidade, do estado e do Brasil na abertura do evento.
O recorde de publico, cerca de 30 mil pessoas nos 04 dias de festa, atestam que a cavalgada de 2011 foi a melhor desde a fundação do Parque Municipal.















domingo, 7 de agosto de 2011

quinta-feira, 21 de julho de 2011



domingo, 16 de janeiro de 2011


Vereador solicita que Vale dê preferência de empregos para Rio-piracicabenses

Através de um oficio enviado à mineradora Vale, o vereador Betão solicita que a empresa, maior empregadora do município de Rio Piracicaba, dê preferência para Rio- piracicabenses nas suas próximas contratações previstas para 2011.

O oficio enviado a gerencia local da empresa tem o seguinte teor:

“Sabendo do interesse da Vale em fomentar o progresso e o desenvolvimento das cidades onde atua, venho sem ferir princípios legais e normas internas, solicitar que no ano de 2011 todas as contratações tanto do quadro próprio quanto das empresas terceirizadas, sejam de preferência ou até se possível com exclusividade para cidadãos Rio-piracicabense.

Na oportunidade, solicito que a empresa incentive aos funcionários que residem em outras cidades a fixarem residência em nosso Município, uma vez que isso irá trazer significativos ganhos para a nossa economia. Da mesma forma, que a Vale e todas as empresas terceirizadas dêem preferência ao comercio local.

Assim sendo, entendendo ser esta uma forma de fomentar o progresso e o desenvolvimento local, contamos com a responsabilidade social desta empresa.”